Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

menteconspiradora

Encontros


O motorista do 90 até que foi um bom homem, esperou o suficiente para que o pobre coitado e ofegante Jorge entrasse no mesmo, o cabelo desgrenhado pela corrida feita contra o vento e as faces vermelhas devido ao frio, uma delas devido ainda à estalada, mas que o frio ocultava, davam-lhe um ar de bêbado, quem o olhasse e não o conhecesse acharia que era mesmo um pobre e desgraçado que procurara na bebida uma escapatória para a vida, mas quem o conhece diria em sua defessa que está bêbado sim, mas de um estranho amor, que tanto o empurra para cima, como o deixa cair numa queda livre sem rede que só o chão o apara.


Mostrou o passe ao motorista e procurou um confortável lugar, talvez um daqueles com o ar condicionado bem por perto para que ele possa aquecer o enregelado corpo, já que para o frio da alma nem as fornalhas do inferno têm remédio, talvez o seu remédio esteja bem perto, um remédio do sexo feminino, com as semelhanças de um anjo, um sol capaz de o aquecer e o trazer de volta há terra ou o estorricar de mais, pegou no telemóvel e começou a jogar, talvez assim ele não tenha de pensar em mais nada a não ser em acabar o entediante jogo.


A pensativa Joana descia ainda a rua, parava a olhar para as montras com ar de quem ia comprar algo mas apenas o fazia para desviar a cabeça de outros assuntos, pensava no pobre Jorge, pensava na forma como ele saíra da sala com uma lágrima que escorria pela sua face, tomara uma decisão, de manhã comprimentálo-ia com um beijo, colaria os seus lábios aos dele, ele já o merece, mas a forma como ele saíra da sala dizia-lhe que talvez de manhã fosse demasiado tarde, pensou voltar para trás, ainda deu uma série de passos na direcção contrária à que tomara, mas depressa caiu em si, “Não sei onde ele está!”, pegou no telemóvel e começou a procurar o numero dele, encontrara-o, ia a começar a chamada quando uma voz do outro lado da rua a fez parar o seu movimento, levantou a sua cabeça e viu alguém que a chamava e atravessava a rua a correr, um brilho apareceu nos seus olhos, um sorriso formou-se na sua boca, sentiu o seu coração num bater apressado, algo lhe dizia para correr para ele, mas ao ver melhor estacou, o seu sorriso recolheu, o brilho do olhar tornou-se baço, o coração voltou ao ritmo normal e a única coisa que lhe saiu foi um frio.
– À, és tu!
– Olá Joana, então tudo bem? Há muito que não te via!
– Tudo bem, Samuel, sabes como é, caminhos diferentes, desencontros.
– Bem, estás linda! Há muito mesmo que não te via, até já me tinha esquecido como és bela!
– A sério? Sempre pensei que fosse inesquecível!
– E és, foste a melhor namorada que tive e fui um parvo, mas ás vezes fazemos coisas sem pensar e a única coisa que nos resta é o arrependimento.
– Acredita que é verdade, se o arrependimento matasse eu já não estava aqui há muito, mas a vida é feita de erros, temos de viver com eles.
– Tens toda a razão, vais para os barcos certo? Posso acompanhar-te até lá, há tanta coisa para pôr em dia.
– Podes acompanhar-me claro!


Seguiram então o seu caminho, falando talvez de coisas do passado talvez de coisas do presente ou até do futuro, falaram durante todo o caminho, umas vezes ouvia-se alguém rir, talvez até fossem os dois a faze-lo, mas a verdade é que a conversa parecia estar agradável, nesta coisa de se juntar um ex-namorado com a sua ex-namorada só pode dar nisto, o porto fluvial com partida para o Montijo estava já ao virar da esquina, ele aproximou-se dela e roubou-lhe um beijo, ela deixou-se levar pelo mesmo, mas algo os fez parar quando o andar apressado de um homem que chorava passou por ambos, os olhos do Samuel sorriam, os de Joana não, mas olhavam os dele, soltou-se do beijo e correu para o porto e quem sabe para o barco a verdade é que correu, interiormente sentia-se suja, só pensava no Jorge onde estaria ele o que estaria a fazer?


Jorge limpou as lágrimas e caminhou rua acima, caíra há terra, a dor latente no seu coração, era a única coisa que sentia, afinal ele tinha razão ela tinha outro.

Like

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Blogs Portugal

blogsportugal

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D